Concurso TCE/AM 2015 define banca organizadora

     

As vagas são para Auditor e os salários iniciais são de R$ 25.260,19

Concurseiros interessados no concurso do Tribunal de Contas do Estado do Amazonas (TCE/AM) têm mais um motivo para estudar. Mais um passo foi dado para a execução do certame, com a contratação da empresa responsável pelas etapas que compõem a seleção para o cargo de auditor. A empresa escolhida foi a Fundação Carlos Chagas (FCC) e será a banca organizadora do concurso.

Os aprovados na seleção serão admitidos no cargo de auditor, que exige o nível superior de ensino. A carreira oferece salário inicial de  R$ 25.260,19. Lembrando que a seleção irá reservar vagas aos candidatos portadores de necessidades especiais, levando em consideração as limitações do candidato e as atribuições do cargo.

Além do ensino superior completo, para concorrer ao cargo de auditor do TCE/AM, o interessado deverá atender aos seguintes pré-requisitos: idade entre 35 e 65 anos; ter votado nas últimas eleições e estar em dias com obrigações militares (se candidato do sexo masculino); ter aptidão física e mental e experiência profissional nas áreas jurídica, econômica, contábil, financeira ou de administração pública.

A previsão é que o edital seja divulgado ainda no primeiro semestre de 2015 e já é esperada uma grande quantidade de concorrentes.

A última seleção promovida pelo Tribunal de Contas do Estado do Amazonas aconteceu em 2007. Na ocasião, o salário oferecido para os aprovados foi de R$ 21.005,68. A empresa contratada para ser a responsável pela seleção também foi a Fundação Carlos Chagas e a taxa de participação foi de R$ 263, pagas em qualquer agência bancária.

A avaliação foi composta de 100 questões, versadas entre 10 de língua portuguesa, 15 de direito administrativo, 15 de direito constitucional, 10 de direito tributário, 10 de controle externo da administração pública, 10 de auditoria, 10 de contabilidade 5 de direito penal e processual penal e orçamento públicos, 5 de finanças públicas, 5 de licitações e contratos administrativos e 5 de responsabilidade fiscal – gestão fiscal e penalidades.

Por Ana Rosa Martins Rocha