Concurso STJ 2015 define banca organizadora

     

A Cespe/UnB foi a instituição escolhida para realizar o certame

O Superior Tribunal de Justiça (STJ) escolheu no dia 22 de maio a Cespe/UnB para ser a banca organizadora do seu processo seletivo. A divulgação do edital deve acontecer nos próximos dias, logo que for definido os últimos detalhes do certame.

Já está determinado que será oferecido 90 oportunidades para os cargos de analista judiciário, com o requisito de ter concluído a graduação, e também para a função de técnico judiciário, com a exigência de ter concluído o 2º grau de escolaridade.

O rendimento mensal na carreira de analista corresponderá ao valor de R$ 8.118,19, mais os benefícios de auxílio-alimentação de R$ 751,96 e vale-transporte de R$ 59,87. Já o salário no posto de técnico será de R$ 5.365,92, mais as gratificações de vale-transporte e vale-alimentação.

Os aprovados na função de analista irão atuar nos setores de: Suporte em Tecnologia da Informação, Pedagogia, Análise de Sistemas de Informação, Medicina (pediatria), Engenharia e Arquitetura, Comunicação Social, Administração, Fisioterapia, Arquivologia, Contabilidade, Engenharia Elétrica e Segurança.

Os selecionados no cargo de técnicos irão trabalhar nos ramos de Tecnologia da Informação e Administrativo. As vagas serão direcionadas para o Distrito Federal.

O último concurso público aconteceu no ano de 2012, onde foram disponibilizadas 28 oportunidades na função de técnico judiciário nas áreas de eletricidade e telecomunicações e também 16 vagas na carreira de analista nos segmentos de Biblioteconomia, Psicologia e Medicina. A banca organizadora também selecionada pelo órgão foi o Cespe/UnB.

No certame, os candidatos foram submetidos a avaliações objetivas, contendo 120 questões, onde 70 eram referentes a noções específicas do cargo e 50 eram relacionadas a noções gerais. Além disto, os inscritos também realizaram prova dissertativa e testes práticos.

Mesmo que o próximo exame seletivo esteja ofertando 90 oportunidades, existe uma probabilidade de que várias destas vagas sejam preenchidas pelos profissionais que foram aprovados no concurso anterior e que ainda não tenham sido nomeados no órgão. 

Por Felipe Couto de Oliveira