Concurso FCS (MG) 2014 tem 81 vagas abertas

     

Fundação Clóvis Salgado (FCS), no estado de Minas Gerais, lançou edital para realização de concurso público. O edital FCS Nº 01/2014 estabelece as condições para o provimento de vagas destinadas a Professores de Arte e Analistas de Gestão Artística do Grupo de Atividades de Cultura do Poder Executivo. Ao todo são 81 vagas para profissionais que precisam ter nível superior, com salários que chegam a R$ 2.083,72 pelo cumprimento de jornadas de até 40 horas por semana.

O concurso será de responsabilidade do Instituto Brasileiro de Formação e Capacitação (IBFC), que ficará a cargo das etapas que compõem a seleção. Das vagas oferecidas, 10% são destinadas aos candidatos portadores de necessidades especiais, desde que as atribuições do cargo sejam compatíveis com as limitações do candidato, se aprovado.

Os interessados podem se inscrever pela internet, na página dedicada à seleção www.ibfc.org.br, de 22 de dezembro até as 23h59 do dia 25 de janeiro de 2015. Será cobrada taxa de participação no valor de R$ 90,00 paga em qualquer agência bancária até o vencimento do boleto.

Todos os candidatos serão submetidos à prova objetiva e prática. A prova objetiva está agendada para o dia 22 de fevereiro de 2015, e será realizada na cidade de Belo Horizonte – MG, em locais e horários a serem informados no site do IBFC – www.ibfc.org.br, a partir do dia 13 de fevereiro de 2015. Cabe aos candidatos verificarem essas informações e comparecerem ao local das provas com antecedência de ao menos 30 minutos. O gabarito preliminar será disponibilizado no mesmo site, em até 48 horas após a aplicação da mesma.

A convocação dos candidatos ao cargo de Professor de Arte será realizada por meio de publicação de ato no Órgão Oficial dos Poderes do Estado – Minas Gerais e informada no site das inscrições. Segundo o edital, o prazo de validade do concurso público será de 2 anos, contados da data de homologação dos resultados, com possibilidade de prorrogação por igual período, conforme as necessidades da Administração Pública.

Por Robson Quirino de Moraes