Concurso CPRM 2015 terá edital em breve

     

A previsão é que sejam abertas 52 vagas para nível médio

O CPRM (Companhia de Pesquisa de Recursos Minerais), Serviço Geológico do Brasil, um dos órgãos que compõem o Ministério de Minas e Energia, vai abrir concurso público para o provimento de 52 vagas para nível médio. O concurso visa o preenchimento de vagas para o cargo de Técnico em Geociências (Hidrologia), com remuneração inicial prevista de R$ 2.990,88. O processo seletivo será realizado com as seguintes etapas: prova objetiva e prova de títulos.

A Instituição responsável pela organização do certame será o Centro Brasileiro de Pesquisa em Avaliação e Seleção e de Promoção de Eventos (Cespe/UnB), empresa especializada na preparação de concursos públicos. A escolha foi publicada no Diário Oficial na última terça-feira (17 de março).

Ainda não há previsão exata da publicação do edital, mas será lançado em breve. O CPRM está presente em várias cidades do país, contudo, ainda não há destinação para as vagas previstas.

Em 2013 ocorreu o último concurso da instituição. Na época, foram contemplados 355 profissionais com nível médio/técnico e superior. Os cargos oferecidos foram para Técnico, Analista e Pesquisador. Distribuídas pelas seguintes localidades: Brasília / DF, Teresina / PI, Porto Velho / RO, Fortaleza / CE, Salvador / BA, Recife / PE, Porto Alegre / RS, Manaus / AM, Goiânia / GO, Belo Horizonte / MG, Belém / PA, Rio de Janeiro / RJ e São Paulo / SP.

O CPRM é uma empresa do Governo Federal instituída em 1969, responsável pelos levantamentos geológicos, geofísicos, hidrogeológicos e hidrometeorológicos do território brasilieiro, assim como a avaliação de todos os recursos minerais do país e análise minerais e químicas realizadas pelo Laboratório de Análises Minerais (Lamin).

O CPRM está instalada em todo o país, em oito superintendências regionais, o que abre possibilidade de designação para diversas regiões do país. Essa e outras informações serão ratificadas no edital, que será publicado em breve.

Por André César