Concurso Amazul 2017-2018 – Inscrições Abertas

     

Certame visa preencher vagas na cidade do Rio de Janeiro.

Está aberto o processo seletivo da Amazônia Azul Tecnologias de Defesa S.A. que visa à seleção de pessoas capacitadas para o desenvolvimento do Programa Nuclear Brasileiro bem como Programa Nuclear da Marinha do Brasil, além de outros projetos também ambiciosos como o Programa de Desenvolvimento de Submarinos.

Aqueles admitidos pelo processo seletivo assinarão um contrato com a Amazul de dois anos de contratação, mas o prazo poderá ser alterado e até mesmo estendido.

Há alguns pré-requisitos exigidos pela empresa como inglês avançado, possuir boa capacidade de interpretação, leitura e escrita, além de possuir facilidade em comunicar-se com outras pessoas. Serão aceitos pela Amazul profissionais com Doutorado nas seguintes áreas: Ciências Políticas, Relações Internacionais e História.

É importante ressaltar ainda que na área de Ciências Políticas o Profissional deve possuir outras especializações voltadas para a Energia Nuclear e estratégias inovadoras para a empresa.

As vagas de emprego estão localizadas na cidade do Rio de Janeiro. É importante saber que a jornada de trabalho semanal pode chegar a até 40 horas. Além disso, as remunerações podem variar de acordo com a função e o nível de escolaridade. Dessa forma, segundo a empresa a variação dos salários pode ser de R$ 8.000 a R$ 9.000. Vale ressaltar ainda que além do salário os funcionários também contam com outros benefícios como auxílio refeição, vale-transporte, assistência médica e odontológica, e um conjunto de alimentos.

Os interessados aos cargos devem saber de antemão que o maior objetivo da Amazul é desenvolver projetos que melhorem a Marinha nacional. Desse modo, além dos requisitos citados acima, para que o funcionário obtenha êxito, este precisa ser alguém criativo e responsável.

A Amazul precisa de profissionais que desenvolvam projetos nas seguintes áreas: Tecnologias de Defesa e Nuclear, Relações Internacionais, Geopolítica, Operações de Paz, Atlântico Sul, Segurança Internacional, História Contemporânea, Política Internacional, Integração Regional, Globalização, Estudos avançados de Guerra e Paz, História Norte- Americana Militar, Defesa, Ciência Política, Assuntos Militares entre outros.

As inscrições tiveram início no dia 14, e seu término está previsto para sexta-feira, dia 25 de agosto. Para participar é preciso pagar uma taxa de inscrição de R$ 150. O processo de inscrição ocorre de forma presencial ou através do cartório com uma procuração. É preciso ressaltar que a inscrição pode ser realizada apenas na cidade do Rio de Janeiro.

Agora é importante entender como funciona o processo seletivo. Haverá 3 exames sendo que a primeira possui fator eliminatório e as duas seguintes são classificatórias. No dia da primeira prova, é necessário levar os documentos que comprovem a graduação, o doutorado e outros cursos de especialização. Além disso, o participante precisa comprovar que possui experiência e já desenvolveu pesquisas e trabalhos científicos.

A segunda etapa funciona com três funcionários da Amazul responsáveis por avaliar os candidatos de acordo com os critérios da instituição. Cada um fará uma ficha que vale no máximo 30 pontos. Desse modo, os candidatos que passarem por tais etapas poderão ser admitidos seguindo a lista de classificados.

Para quem não sabe a Amazul foi criada em 2013 com o intuito de criar, desenvolver e inovar projetos tecnológicos para o Programa Nuclear Brasileiro e da Marinha bem como a criação de submarinos mais modernos.

O maior objetivo é equiparar a Marinha Brasileira a de outros países. Dessa forma, é preciso fomentar a criação de novos aparatos tecnológicos visando desenvolver os submarinos brasileiros para que a costa brasileira possa ficar mais bem protegida de qualquer ataque internacional ou então, possa combater de forma eficiente as embarcações de pesca e tráfico que são ilegais. Desse modo, a Marinha pode efetuar suas obrigações com excelência.

Como já deu para perceber a Amazul tenta reunir profissionais de diferentes áreas do conhecimento visando um bem comum: desenvolver o sistema nuclear brasileiro sem depender majoritariamente da mão de obra internacional, criando novas vagas de emprego e, ao mesmo tempo, trabalhando duro para defender a população brasileira.

Por Sirlene Montes